Como manter-se em equilíbrio diante do turbilhão de emoções do outro.

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Há alguns anos atrás, quando eu fazia pathwork, uma das participantes disse para a minha terapeuta:⁣

“Eu senti muita raiva de você!”⁣

Ela, com a mesma feição calma e serena, apenas balançou a cabeça amorosamente como quem faz um “sim” e disse: “Entendo…”⁣

Eu achei aquilo muito bizarro. ⁣

Se fosse eu naquela época, era reação emocional na certa. Fiquei boba com a reação dela e isso se tornou uma inspiração pra mim. Eu queria chegar a esse ponto um dia. ⁣

Os anos foram se passando. E muitas dores foram reveladas e curadas em mim. ⁣

Foi ficando mais claro o que acontece no interior de cada um. Quando me aprofundo em mim, alcanço profundidade no outro também. ⁣

Há poucos dias, meu conteúdo ativou uma dor em uma pessoa querida. ⁣

Em vez de ir embora, ela teve coragem de me dizer: “Estou com muita raiva de você!”⁣

Quando vi o texto dela, nenhuma dor aconteceu, senão uma profunda compaixão e compreensão do que estava acontecendo com ela ali. ⁣

Disse a ela: “Eu acolho sua raiva”. “Está tudo bem você se sentir assim.”⁣

Eu sabia que nada daquilo dizia respeito a mim. Eu sei o que é uma reação emocional. Eu sei que ela estava em contato com dores profundas. E eu sabia que não tinha feito nada de errado. ⁣

Percebi que no meu relacionamento, várias vezes, eu também consegui me manter distanciada de minhas dores quando meu marido entrou em reação emocional. E isso faz toda a diferença em uma relação de 2 pessoas. ⁣

Enquanto um vai pra criança, o outro precisa estar no adulto. Senão não passam de 2 crianças discutindo e tendo suas necessidades sendo requeridas. ⁣

Mas isso só é possível quando já aprendemos a dar espaço para nossas emoções se expressarem. Quando não temos mais medo delas. Quando já sabemos nos acolher e nos amparar. Aí sim conseguimos dar isso ao outro.⁣

Essa pessoa, depois de sair da reação, me pediu desculpas. Mas eu, em nenhum momento, me senti ofendida por ela.
Sigo tropeçando em meus erros, mas, por vezes, colho essas flores no caminho.⁣

É por esses momentos que sigo em minha reforma íntima.

E por isso sou grata a esse caminho. Árduo, mas muito recompensador.⁣