Salada fria de batata


IMG_20150419_132955

Havia dias que eu estava com desejo de comer uma boa salada de batatas, mas o tempo foi passando e o desejo foi esperando para ser realizado.

Eis que em um domingo acordei com bastante disposição para cozinhar e resolvi que faria uma comidinha gostosa só pra mim mesmo, mas acabei sendo beneficiada pela companhia da super amiga Zad.

Decidi o cardápio: carne assada na panela de pressão, que já foi ensinado aqui. Adoro, porquê é muito fácil e rápido de fazer; mandioca cozida, vinagrete picado com amor e salada fria de batatas.

Eu já tinha me preparado e comprado uma maionese especial, feita com ovos caipira:

IMG_20150419_111807

Então vamos à receita:

Ingredientes:

– 300g de batata
– 1 xícara de chá de maionese
– 1 dente de alho
– 1 colher de sopa de mostarda (usei a mostarda escura, também da Heinz)
– 2 colheres de sopa de azeite
– sal e pimenta do reino a gosto
– 2 colheres de sopa de cebolinha picadinha

Modo de preparo:

Descasque e corte as batatas em pedaços pequenos, mas não tão pequenos. Coloque para cozinhar em água fervente com um pouco de sal e monitore o cozimento até a batata ficar ao dente. Vá experimentando enquanto cozinha. Não cozinhe demais para não desmanchar na hora de misturar aos outros ingredientes.

Em um processador, bata a maionese com o dente de alho, o azeite, a mostarda, o sal e a pimenta do reino.

Quando as batatas estiverem cozidas, lave-as com água fria para interromper o cozimento. Misture as batatas ao molho de maionese e à cebolinha picada.

Leve à geladeira para esfriar até que o restante do almoço esteja servido.

Dani Carneiro😉

Publicado em Acompanhamento | Marcado com , , | 2 Comentários

Estrogonofe de frango com alho poró do Jamie Oliver


IMG_20150421_135003

 

Olá povo!

Muita coisa aconteceu nos últimos tempos e a principal explicação para o meu sumiço muita gente já sabe: a cozinha e eu demos um tempo. Andamos nos estranhando, sabe? Pobre dela. A coitada não tem culpa de nada. Eu é que andei dando uma faxina interior e pra fazer isso tem que tirar tudo do lugar, não é mesmo? E aí eu passei um tempo sem saber onde eu deixei a minha vontade de cozinhar. Mas agora a faxina já está aquietando, algumas coisas já estão voltando para seus devidos lugares e aos poucos estou fazendo as pazes com a cozinha. Ufa! Ainda bem!

Foi com um pedido da minha irmã para que eu cozinhasse e que ela não poderia comer carne bovina no dia que me lembrei desse prato, que já havia comido feito pelas mãos de fada da minha amiga Tânia. E lembrei que minha outra querida amiga, a Leili, também já havia publicado a receita. Então fui lá, chequei, fiz e aprovei!

O must desse prato é que ele é muito fácil de fazer e tem um sabor ímpar. Não é parecido com o tradicional estrogonofe que conhecemos, pois o vinho branco e o alho poró conferem um aroma muito especial. Então, não perca tempo e presenteie sua família com essa receitinha supimpa. Anota aí:

Ingredientes (serve aproximadamente 4 pessoas):

– Sal e pimenta do reino para temperar
– 1 alho-poró grande
– 1 xícara de cogumelos frescos (usei do tipo paris)
– 2 peitos de frango sem pele e sem osso
– 2 colheres de sopa de azeite de oliva
– 1 colher de sopa de manteiga
– 1 taça de vinho branco seco
– 1/2 xícara de água
– 1 punhado de salsa fresca
– 1 xícara de creme de leite fresco
– 1 limão-siciliano

Modo de Preparo:

Prepare os ingredientes: corte o peito de frango em tiras de mais ou menos 4cm. Tempere com sal e pimenta a gosto e reserve. Fatie o alho-poró. Corte os cogumelos em fatias não muito finas. Pique finamente a salsinha com talos. Reserve separadamente os ingredientes picados, pois serão utilizados em momentos diferentes.

Coloque uma frigideira grande e funda para aquecer em fogo alto. Adicione o azeite a manteiga na frigideira. Acrescente o alho poró, a taça de vinho, a água, uma boa pitada de sal e pimenta do reino. Deixe ferver por 5 minutos, com a tampa entreaberta (se não tiver tampa, pode usar um pedaço de papel alumínio para tampar).

Remova a tampa da frigideira e inclua as tirinhas de frango, metade da salsa, o creme de leite e os cogumelos. Misture bem e deixe ferver novamente. Assim que atingir fervura, baixe um pouco o fogo e cozinhe por 10 minutos ou até o frango ficar bem cozido e macio.

Antes de servir, corte o limão ao meio, esprema meio limão no estrogonofe e decore com o restante da salsinha.

Dani Carneiro😉

Publicado em Frango | Marcado com , , | 1 Comentário

Mateus Gandara: voa voa andorinha!


Mateus

 

Há dois anos atrás eu conheci esse lindo rapaz: Mateus Gandara. Estávamos numa imersão terapêutica para curar as dores infantis e na oportunidade ele contou ao grupo que tinha câncer e que naquele momento a doença estava “deixando-o viver”. Me lembro que me admirou uma pessoa naquelas condições estar ali em busca de entender e resolver seus sentimentos de criança, pois a gente costuma ter a sensação de que a morte é um recomeço e, no caso dele, ele sabia que ela estava rondando-o e que poderia não ter muito tempo mais.

A presença dele não era comum, ele não era uma pessoa normal. Havia algo de muito diferente nele e eu confesso que me assustava. Acho que eu tinha medo de compartilhar da mesma visão que ele tinha do todo. Às vezes eu me sentia constrangida em estar perto dele e eu nunca entendi esse sentimento. Encontrei-o há aproximadamente dois meses numa palestra do ossobuco. Tinha algo naquele olhar que eu não pude captar. Mas somente nos cumprimentamos.

Ontem ele se foi. E sua passagem foi como um soco no estômago pra mim. Eu nem me sinto no direito de estar tão mexida com sua passagem, pois eu não era tão próxima. Mas eu não posso negar que abalou minhas estruturas e que me trouxe inúmeras reflexões.

Passamos a vida toda aceitando a vida sem questioná-la. O que é a vida? O que é a morte? Quem somos nós? O que estamos fazendo aqui? O que significa esse tanto de sentimentos que temos? Por que sonhamos? O que tem por trás disso tudo? Nascemos com uma única certeza na vida, que é a da morte, mas vivemos na ilusão de que ela nunca vai acontecer. E cada dia mais desperdiçamos um pouco da nossa vida.

A partida do Mateus me trouxe a pensar o quanto dou valor à minha vida. Ele era um menino que amava viver, era sedento por isso. Lutou bravamente a cada dia por um pouco mais de vida. E na limitação de sua própria vida ele entendeu que a única coisa que valia à pena era o amor. E isso fez com que cada dia mais ele deixasse todo o resto de lado e só amasse. Ele amava de uma forma tão direta, tão fácil, tão simples. Ele simplesmente chegava perto de vc e te amava. Eu nunca entendi porque.

Mas hoje muitas fichas estão caindo, Mateus. Um urgente chamado para acordar ainda mais. Para viver cada minuto da vida como se fosse o último, pra deixar a timidez, o medo e tudo o mais que tiver de lado me atrapalhando a amar. Simplesmente me entregar para o amor, pois é ele que vale à pena. É pra isso que estamos aqui. Essa oportunidade é única e ela é finita. A oportunidade de experienciar um corpo físico, sensações, emoções, prazeres, alegrias, dores. Há a mensagem clara para deixar de focar no que é ruim e perceber a beleza de cada minuto, agradecer a oportunidade de estar vivo, mas sem se esquecer de que um dia essa experiência acaba. E esse dia pode ser hoje.

Você sabia que a vida continuava fora daqui e por isso trabalhava seus sentimentos, pois iria levá-los com você. Na última vez que cruzamos o olhar, era um adeus. Fico me perguntando como devia ser para você ao ver todos desperdiçando tanto suas próprias vidas, enquanto sabia que a sua estava prestes a acabar!

Me conforta um pouco saber que nos últimos anos você aproveitou sua vida muito mais do ela inteira. Que você teve muitas oportunidades de se despedir dos que ama e de dizer isso a eles. Que você se permitiu ser você mesmo, sem máscaras e ilusões.

Não conheço a história da sua alma, mas creio que tudo tem um propósito divino. Essa doença veio pra te ensinar algo muito importante e provavelmente o fim chegou porque você concluiu o aprendizado. Se o propósito era fazer você dar valor à vida, eu te digo que você não só aprendeu como ensinou muita gente, me ensinou. E eu espero que onde você esteja tenha tanta vida quanto você buscava e que você possa continuar fazendo o que aprendeu: amar com toda a plenitude do seu ser.

Agora não há mais o fardo da doença, agora você é livre como um pássaro e eu desejo do fundo do meu coração que você esteja muito feliz. Você deixou marcas e eu te agradeço pelo exemplo e pela oportunidade de aprendizado.

Voe em paz, andorinha! Ame em paz!

Dani Carneiro

Publicado em Divagações | 5 Comentários

Fenomenal 2014


image

Transformação. Se há alguma palavra que pode definir este ano para mim, é a transformação.

Ele começou meio tímido e prometendo muitas coisas. No início do ano, muita vezes eu repeti o mantra “Fenomenal 2014”. E verdadeiramente ele foi fenomenal.

Este ano jamais será esquecido. Nele vivi experiências fantásticas e descobertas incríveis. Coisas que eu jamais imaginei aconteceram. Foi o primeiro ano da minha vida que vivi desperta. Antes eu estive dormindo um sono profundo. O sono da ilusão. Agora a minha realidade é outra. Agora eu entendo um pouco mais do mundo, de mim, da vida, do Universo. E dessa vez eu tenho certeza de que estou no caminho certo. Dessa vez me sinto competente. Sinto orgulho de mim pelo tanto que avancei. E sei que ainda tenho muito chão pela frente, mas agora já consigo colher o que meus passos no início desse caminho plantaram e estou plantando mais todos os dias.

Logo no início do ano consegui o que tentava há dez anos e não conseguia: emagrecer. Eu havia feito toda sorte de dietas que se possa imaginar e possuía o tão famoso efeito sanfona. Mas no final de 2013 eu firmei um propósito de que iria emagrecer. E a luta começou logo no dia 2 de janeiro. De repente, o que eu imaginava que seria difícil simplesmente fluiu sem muito sofrimento. O que foi diferente das diversas tentativas anteriores? Eu encontrei dentro de mim a força e determinação que eu precisava. Eu encontrei dentro dos meus sentimentos o motivo que me fazia “compensar” a dor com a comida. E me dispus a enfrentá-lo. À medida que você conhece o motivo, você pode escolher fazer diferente. Enquanto você permanece na ilusão e na crença de que “eu não dou conta”, você se coloca no papel de vítima da vida e anula o seu poder de modificar a sua realidade.

Esse ano também venci o que comecei a atacar no início de 2013: o descontrole financeiro. Sim, muitos não sabem, mas eu não tinha controle. Eu gastava mais do que eu tinha e estava sempre assombrada pela realidade de não conseguir me organizar. E com isso, muitos dos meus sonhos que envolviam dinheiro ficavam cada vez mais longe. Muitas vezes tive insônia por causa disso. Era sempre no vermelho, era sempre atrasando uma conta ou outra, era o orçamento atolado de empréstimos. Eu não tenho vergonha de admitir isso. Você que sempre foi organizado e que não possui essa dificuldade, certamente irá me julgar. Porém, as coisas não são superficiais como você imagina. Uma coisa que é fácil pra você pode não ser fácil para outra pessoa. E isso pode envolver muitos sentimentos, traumas e bloqueios. Não julgue. Hoje eu posso dizer que sou vitoriosa. No início de 2013 comecei um planejamento financeiro e hoje acabei com quase todos os meus empréstimos, restando apenas aqueles financiamentos que muitas vezes são essenciais, como carro e casa. Sim, meus amigos, eu não só saí da pindaíba como comprei o meu próprio apartamento. É claro que vou passar uns bons anos da minha vida pagando-o, mas pelo menos não estou torrando meu dinheiro em juros para banco que não me dá nenhum retorno.

Hoje meu dinheiro ainda não sobra como eu gostaria, mas durmo tranquila e sob o meu próprio teto! =)

E isso também não foi construído com sorte. A verdade é que isso se deu com muito trabalho e auto confronto. Desde que descobri que atrás do meu descontrole financeiro havia uma insegurança enorme, um medo de não ser aceita pela sociedade e uma tentativa frustrada de ser o que eu imaginava que me garantiria essa aceitação, resolvi enfrentar o medo. Tive que correr o risco de ser rejeitada, porém bancando minha própria vontade e meus interesses. Foi surpreendente aprender a dizer não para várias situações e sustentar a minha decisão. Dessa vez eu estava fazendo por mim. Eu finalmente comecei a cuidar da pessoa mais importante da minha vida: eu mesma!

Esse dois aspectos eram os que mais tiravam minha paz de espírito, sabe? Quando eu estava gorda ou endividada, eu perdia o brilho, eu ficava muito infeliz, sem esperança. E depois que eu consegui enfrentar esses desafios, a minha vida foi se abrindo para descobrir muito mais.

Eis que de repente eu me deparo com mais uma triste realidade no meu caminho de autoconhecimento: eu não confiava em mim. E talvez voce não saiba, mas quando não confiamos em nós, também não confiamos em ninguém. Assim como quando não nos amamos, também não amamos o outro e quando não nos aceitamos, também não aceitamos o outro.

E ao me deparar com essa falta de confiança em mim, procurei a confiança no outro em momentos de maior fragilidade e sabe o que aconteceu? Eu percebi que ninguém podia me ajudar. De verdade. Que só eu mesma podia fazer algo. Talvez seja difícil ser entendida nesse ponto, mas a partir do momento que eu resolvi tentar confiar em mim, eu descobri uma coisa maravilhosa! ! Eu descobri um pouquinho de fé e comecei a alimentá-la dia após dia e isso causou uma mudança extraordinária na minha vida: eu me conectei com Deus. Eu comecei a sentir a grandiosidade que é tudo isso aqui. Gente, eu vivia numa cegueira completa, não conseguia ver e muito menos dimensionar o quão grande e poderoso é esse Universo tão misterioso. Eu sei que isso pode parecer papo de religioso fanático, mas eu vou te contar uma coisa: eu me libertei de religiões. Não há nenhuma que me caiba por completo. Eu agora sou aberta, acredito e sigo o que meu coração diz. Minha religião é meu coração.

Eu já fui católica, kardecista, umbandista e jamais senti a conexão e fé que sinto agora. Nunca fiz uma oração que me causasse algum sentimento. Tanto é que, quando eu queria algo, eu pedia pra minha mãe rezar pra mim, pois na fé dela eu acreditava, na minha não. Rsss

Então, depois de iniciar um caminho de autoconhecimento, no meio dele me encontrei num caminho espiritual. E isso se tornou a prioridade número um da minha vida. Não porque quero ser salva por um Deus que me julga e sim porque quero ser livre das amarras que eu mesma criei pra mim. Descobri que Deus está dentro de mim e eu posso ser o que eu quiser! E comecei a me interessar muito por isso e busquei respostas e conhecimento em tantos lugares!

Comecei a meditar, o que pra mim é inacreditável. Mas a maior mudança de todos os tempos, até hoje eu não acredito: eu parei de beber bebida alcoólica. Os meus amigos que estão lendo isso devem estar atônitos, pois sabem o quanto sempre apreciei cervejas e vinhos. Onde eu estava tinha! Se não tivesse, eu também não estaria. E já faz mais de três meses que o álcool se tornou uma lembrança apenas. Hoje, apesar de ele ainda permear os meus pensamentos, eu não consigo mais me associar a ele. Não consigo me imaginar bebendo. E eu só parei de beber porque eu tive uma motivação. O meu coração me disse que para seguir o meu caminho espiritual eu precisava parar. Talvez por um tempo, não sei. Mas cada dia que passa eu tenho mais certeza da escolha acertada que fiz. Para curar muitas partes profundas de mim eu precisava que o álcool saísse da minha vida. E sigo me curando. E sigo percebendo as inúmeras transformações.

Talvez isso tudo pareça papo de doido e isso é porque não estou aprofundando. Eu comecei a me lembrar de vidas passadas e tive oportunidades de limpar carmas muito antigos e pesados. De repente comecei a ter consciência de muitas partes do meu eu espiritual que eu não sentia ou imaginava que existissem. Minha percepção sensorial aumentou. Minha intuição agora é forte e eu me peguei dizendo palavras que eu não sei de onde saíram e essas palavras começaram a fazer diferença na vida de pessoas ao meu redor.

Comecei a ouvir elogios, e minhas mudanças começaram a ser admiradas e contempladas.

Amigos começaram a me procurar pedindo ajuda para seus problemas. E eu ofereci com muita gratidão o meu caminho, porém disse que cada um tem o seu caminho. Cada um precisa encontrar as suas respostas. Minha vida não é verdade absoluta para a vida de ninguém. O que posso oferecer? Ouvidos, perguntas que os façam pensar, às vezes minha opinião sobre determinado assunto e também ajuda profissional que me ajudaram e podem ajudar a tirar qualquer pessoa desse estado de inércia e resignação na vida. O principal é querer! Vi muita gente que perguntou, viu que pra isso exigia certo esforço e desistiu. Também ouvi muita gente dizer: eu não quero me conhecer, tenho medo de descobrir coisas sobre mim! Fiquei pasma, mas aprendi a respeitar. Cada um tem seu tempo.

Enfim, amigos, esse ano comecei a sentir algo que eu não sentia antes: gratidão. Eu achava que a vida era injusta e arbitrária. Mas percebi milagres acontecendo na minha vida diariamente.

Eu gostaria que todos tivessem tido um 2014 como eu tive. Pois cada dia que vivo eu sinto felicidade por fazer parte disso aqui.

E para 2015 eu tenho metas ousadas. Espero muito desse ano e acredito que tudo acontecerá rápido. Assim como eu fui atendida em tudo o que pedi em 2014, em 2015 o triunfo será pleno.

E no final do ano eu vou voltar aqui para contar pra vocês.

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

Dani Carneiro😉

Publicado em Sem categoria | 5 Comentários

Pão de microondas Dukan


IMG_20140220_135055A minha vida costuma ser uma correria e por causa disso, eu acabo não tendo tempo pra preparar minhas comidas com muita antecedência. Não é raro me encontrar sem nada pronto para o café da manhã ou lanche, eu diria até que é usual.

E para esse tipo de problema eu recorro às receitas de microondas, pois são feitas em minutos e não colocam a dieta por água abaixo. Sabem que um dos segredos da dieta é não sentir fome, não é? Pois se ficamos algum tempo sentindo fome, automaticamente o cérebro começa a pedir justamente aqueles alimentos que não podemos comer.

Ingredientes:

– 1 ovo
– 1 colher (sopa) de farelo de aveia
– 1 colher (sopa) de iogurte desnatado ou leite desnatado
– 1 colher (café) de fermento em pó

Misture tudo, coloque num recipiente pequeno e leve ao microondas por 2 minutos e 20 segundos em potência alta.

Corte o pão ao meio, recheio como quiser e depois dê uma tostada na sanduicheira, grill ou frigideira.

O meu recheio foi de salmão defumado com requeijão zero. Déli, déli!

Dani Carneiro😉

 

Publicado em Dukan, Light, Sanduiche | Marcado com | 1 Comentário

Pizza Dukan


IMG_20140219_204637Depois que eu cheguei ao meu peso desejado através da dieta Dukan, não tive forças para continuar seguindo a dieta até o fim. Porém, tudo que aprendi com a dieta ficou e tenho conseguido manter meu peso direitinho. Como de tudo, porém uso a lei da compensação. Se exagero hoje, amanhã corro atrás do prejuízo, reduzo as calorias, dou um up na academia e assim sigo mantendo o peso.

Vou postar algumas receitinhas que fiz durante a dieta, pois serve até para quem quer diminuir os carbos a noite. Essa receita de pizza é bem fácil e gostosa. Não espere o sabor de uma passa de pizza, mas engana o estômago que é uma beleza!

Ingredientes:

– 1 ovo
– 1 clara
– 3 colheres (sopa) de requeijão zero
– 3 colheres (sopa) de amido de milho (maisena)
– 6 colheres (sopa) de leite em pó desnatado
– 1 colher (sobremesa) de fermento químico

Preparo:

Misture todos os ingredientes deixando o fermento por último. Despeje a massa em uma forma redonda antiaderente e leve pra assar em forno pré-aquecido a 200ºC por 10 minutos.

Retire a pizza do forno e faça a montagem do recheio. Primeiro o molho de tomate (eu costumo usar molho pronto e jogo um salzinho e pimenta do reino por cima.

O meu recheio pra essa pizza foi feito usando os restinhos da geladeira. Teve atum, pimentões, cebola, tomates, palmito e queijo light, é claro.

Volte a pizza ao forno para gratinar.

Se estiver na fase de ataque, pode substituir o amido de milho por fibra de soja.

Dani Carneiro😉

Publicado em Dukan, Lanche, Light, Pizza, Prato Único | Marcado com | Deixe um comentário

Picanha assada no sal grosso


IMG_20140512_190304

Como já era previsto, dei aquela sumida. Agora as coisas estão começando a entrar nos eixos e talvez eu possa aparecer mais por aqui. De toda forma, melhor não criar muita expectativa porque ultimamente eu tenho tido uma preguiça monstra!

Aproveitando meu estado carnívoro que está inspirado ultimamente, resolvi testar essa receita que tantas pessoas falam e eu nunca havia feito. Até as pessoas mais inexperientes na cozinha dizem ter feito e ter ficado um sucesso. Porque não tentar, não é? Para não ter erro, recorro aos meus blogs favoritos e um deles é o Panelinha, da Rita Lobo. Não é a toa que o slogan é “Receitas que funcionam”. Todas que eu fiz até hoje deram certo.

Vamos à receita!

Ingredientes:

– 1 peça de picanha de até 1,2 kg
– 4 claras
– 1 kg de sal grosso
– 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo
– ramos de tomilho fresco a gosto

Preparo:

1. Preaqueça o forno a 220 ºC (temperatura alta).

2. Numa tigela, coloque as claras, o sal grosso, a farinha e misture rapidamente com uma colher.

IMG_20140512_174857

3. Numa assadeira, coloque 1/3 da mistura de sal grosso e espalhe com as mãos até obter uma camada do tamanho da carne. Disponha o tomilho sobre o sal grosso e coloque a picanha sobre esta camada, com a gordura para cima. Envolva a picanha uniformemente com o restante da mistura de sal grosso e pressione para que fique bem firme.

IMG_20140512_174917

IMG_20140512_175440

4. Leve a picanha ao forno, abaixe a temperatura para 200 °C e deixe assar por 1 hora para servir a carne ao ponto. Se você gosta da carne bem passada, deixe assar por 1 hora e 30 minutos. Para a carne mal passada, 40 minutos são suficientes.

5. A camada de sal grosso depois de assada torna-se uma placa bem dura e levemente dourada. Com o auxílio de uma faca, retire a placa e raspe o excesso de sal da carne.

6. Coloque a carne numa tábua e corte-a em fatias bem finas. Se quiser, coloque a placa de sal grosso novamente sobre a carne fatiada e sirva a seguir.

Eu me esqueci de tirar foto com a picanha cortada, mas eu escolhi ao ponto, levemente crua no centro. O aroma do tomilho agregou bastante sabor ao prato.

Dani Carneiro😉

Publicado em Carne | Marcado com | 6 Comentários