Eu estava na lama e um caminho se abriu pra mim

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A vida acontece a todo instante e os problemas surgem, muitas vezes, nos pegando de surpresa.

Não sei quanto a vocês, mas eu passei uma vida acreditando que eu não tinha nada a ver com as coisas que aconteciam comigo.

Eu sempre achei que era “o acaso” ou “destino”.

Eu tive uma vida tão emocionalmente sofrida, sabe? Que teve uma hora que eu fiquei exausta de sofrer.

Hoje eu consigo ver que, quando eu alcancei esse estado, a ajuda apareceu.

Parece que eu já tava me questionando se a vida tinha que ser desse jeito mesmo, se tinha algo que eu pudesse fazer para transformar tudo.

Eu estava sofrendo muito por umas dores do passado que estavam vindo à tona.
Um dia comentei com minha irmã e ela me falou sobre uma terapeuta que ela havia conhecido e sobre como foi o processo dela.

Fiquei impactada com o que ela me contou e decidi ir até essa terapeuta. Foi há 10 anos atrás.

Quando cheguei para nosso primeiro atendimento, eu pude ver que eu realmente estava no meu limite!

Encontrei nela um acolhimento que eu não me lembro de uma dia ter tido.
Chorei muito, de soluçar! Ela me ajudou a olhar pras minhas dores com carinho.

Me ajudou também a não temer essas dores, me fazendo acreditar que eu tinha forças para enfrentá-las.

Aos poucos, ela foi me mostrando que tinha solução.
Me mostrou que aquelas coisas tão difíceis que estavam acontecendo na minha vida aconteciam por conta dessas dores que estavam trancadas e esquecidas dentro de mim, mas que precisavam ser tratadas.

É como uma ferida, sabe? Se ela estiver inflamada, a gente precisa limpar, passar um remedinho, dar atenção e cuidar até que ela cicatrize.

Com a dor emocional é do mesmo jeito!

Mas como não fomos educados emocionalmente, temos a tendência de ignorar o que sentimos, nos preocupando muito mais com o que o outro vai pensar ou sentir a nosso respeito do que com a dor que está dentro de nós.

Nos abandonamos, nos rejeitamos, internamente nos maltratamos nos dizendo o quanto somos imperfeitos, fracassados e que devíamos ser assim ou assado.

Esse relacionamento de mim comigo mesma eu nem sabia que existia! Aliás, não existia.

Eu estava o tempo todo pensando em como obter do outro o que eu queria: afeto, atenção, companhia, consideração, reconhecimento, e mais uma pancada de coisas.

Eu nem percebia que, ao fazer dessa forma, eu relegava meus sentimentos, minhas necessidades. Me coloca como última prioridade em minha própria vida.

Eu realmente não sabia que a vida me tratava exatamente como eu me tratava!

E a partir desse entendimento, eu comecei uma caminhada de descobertas sobre mim.

Não foi fácil. Enfrentei muitos altos e baixos. Descobri defeitos meus que foram assustadores.

Mas também percebi que, depois que eu os enfrentava, eles não tinham mais força e eu ganhava um poder de escolha.

Aos poucos, fui percebendo que, quando eu “consertava” alguma coisa dentro de mim, algo na minha vida se reorganizava.

Isso foi me dando um tesão danado nessa caminhada. Eu ficava empolgada esperando a próxima descoberta e sua respectiva mudança.

Comecei a fazer disso um jogo. Eu olhava pra minha vida, via o que eu queria mudar e começava um trabalho de investigação.

Eu só descansava quando tivesse alcançado o que eu queria.

Nessa jornada eu conheci tantas terapias, tantas ferramentas, experimentei muita coisa, em busca do que acelerava mais a minha transformação.

Eu sempre tive pressa, sabe? Parece que eu entendi que “já deu” de ficar sofrendo. Passei a perseguir com unhas e dentes a vida que eu queria ter.

De lá pra cá, muita coisa mudou. Tantas que nem consigo enumerar.

Mas algumas mais importantes eu vou te contar:

1) Minha vida financeira era um caos.
Eu tinha dívidas, gastava mais do que ganhava e todo mês, quando saía o pagamento, ele imediatamente acabava e ainda ficavam contas sem pagar.

Era um círculo vicioso muito pesado. Eu não dormia direito. Às vezes passava horas pra pegar no sono preocupada em como ia resolver os meus problemas e eu não via saída.

Eu me sentia impotente. Parece que eu não tinha controle sobre mim mesma.

Por mais que eu me esforçasse, eu acabava sempre fazendo as mesmas coisas e parando no mesmo lugar.

Hoje isso é só uma memória distante. Consegui quitar todas as minhas dívidas, aprendi a poupar dinheiro e a fazer investimentos.

Me reeduquei financeiramente e, principalmente, removi de dentro de mim os gatilhos que me faziam agir de forma tão destrutiva comigo mesma.

Entendi que, mesmo que eu ganhasse mais, eu sempre estaria no mesmo lugar, pois o que me fazia agir assim eram coisas que estavam soterradas dentro de mim. Hoje eu tenho muita paz. Tenho total controle de minhas contas, do meu dinheiro e ainda vou te contar mais.

Meu dinheiro sempre sobra! É incrível, parece que ele brota.

Não, eu não sou milionária, né, gente? Pra ser milionária precisa de muito mais do que isso: muito trabalho e um querer muito grande.

Eu vivo bem, tenho um padrão de vida confortável e hoje construo com calma o padrão onde quero chegar.

2) Eu sofria muito com relacionamento afetivo.

Eu não passava de um mero objeto sexual pros homens. Sonhava em ter um parceiro incrível, mas eu só encontrava pessoas que não me davam o mínimo valor.

Eu vivia machucada, chorando por aí. Muitas vezes me sentia rejeitada.

Ao longo desses anos, batalhei muito para transformar essa área da minha vida.

Apesar de ter conquistado o relacionamento que eu queria – um homem que também fizesse uma caminhada de autoconhecimento comprometida, que quisesse ter a mesma relação que eu, que fosse leal e parceiro – ainda hoje me trabalho nessa área pra alcançar níveis mais profundos do meu relacionamento dos sonhos.

Sim, eu consegui o que eu queria e depois comecei a querer um pouco mais. Hoje vejo o relacionamento como uma escada para chegar à máxima união com Deus.

Tenho um parceiro bacana, vivemos uma vida majoritariamente harmoniosa e prazerosa, conversamos sobre tudo, nos trabalhos interiormente – juntos e separadamente -, aprendemos e construimos juntos os nossos sonhos.

E por que eu estou te contando tudo isso?

Porque talvez você se identifique com a minha história.

Talvez eu esteja fazendo o papel que minha irmã fez comigo lá atrás: de me mostrar um caminho de libertação.

Esse é um convite para que você inicie uma jornada incrível! Uma caminhada emocionante dentro de você.

Se eu te disser que tudo são flores eu estaria mentindo. Existe um preço a ser pago!!!

Precisamos estar prontos para uma grande mudança de paradigma.

Mas vale à pena cada minuto investido em nós.

O esforço que a gente planta hoje, a gente colhe tendo uma vida mais prazerosa, mais leve, mais feliz, mais rica e abundante.

Na semana que vem eu vou te contar sobre o maior inimigo que a gente enfrenta nessa caminhada.

Um grande abraço!

Danielle Carneiro