O preconceito com o Tinder… e o primeiro passo rumo a um novo relacionamento

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Eu já tinha participado de apps de relacionamento antes, mas seguia tendo preconceito com a ferramenta.

Mas o que será que tem por trás desse preconceito, né? Vamos analisar?

“Preconceito é uma opinião desfavorável que não é baseada em dados objetivos, mas que é baseada unicamente em um sentimento hostil motivado por hábitos de julgamento ou generalizações apressadas. A palavra também pode significar uma ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial.” Wikipedia.

Pois bem, quando me vi com preconceito em entrar num aplicativo, fui analisar o que eu sentia/pensava.

Pensei: eu quero um relacionamento? Sim, eu quero. Onde vou consegui-lo, se estou trabalhando muito e nem tenho tempo de frequentar lugares ou conhecer pessoas? A opção mais fácil são os aplicativos.

“Mas lá tem muita gente que não presta.” , “O que vão pensar de mim se me virem lá.”, “Não tenho paciência para esse processo” – esses foram pensamentos que rondaram minha cabeça.

Percebi que o que sobressaía era a vergonha de estar lá. Encontrei dentro de mim uma falta de coragem em admitir e mostrar para o mundo que eu queria um relacionamento, como se isso fosse algo digno de chacota.

Um relacionamento não cai do céu. Relacionamento é construção, desde a primeira conversa. Não é algo que simplesmente acontece por uma questão de sorte. A verdade é que pra ter um relacionamento tem que QUERER MUITO.

Quem quer, paga o preço. Quem quer, faz o que precisa ser feito.

Uma pessoa que está a 3 dias sem comer, se você oferecer um pedaço de pão, ela não vai dizer: “Não quero pão, quero lasanha. Traga pra mim.” Ela vai aceitar o pão porque ela QUER MUITO comer. Logo, se ela não aceitasse o pão, significa que ela não quer tanto assim.

O feminino em nós é aquele que sustenta os desconfortos emocionais, que sustenta os constrangimentos, que sustenta o vazio.

Decidi assumir para o mundo que eu queria um relacionamento e essa foi a primeira lição do meu feminino. Se eu quero, qual o problema de assumir? Que orgulho inútil era esse? Pois essa foi a mensagem que escolhi enviar para o Universo. Eu estava decidida a fazer o que precisasse ser feito para alcançar um relacionamento bom. Mesmo que isso significasse conhecer pessoas ruins, chatas, que me desvalorizassem, que me tratassem de uma forma que eu não gosto. Eu decidi APRENDER com o processo e usar isso para chegar onde eu queria.

Olhei crenças, me abri para sentir o que a vida me trouxesse e peguei gosto pelo processo. Essa foi minha prioridade por 2 meses (o tempo que levou para eu conhecer o Amoz).

E com você? Qual o seu preconceito contra apps? Meu processo ressoa com o seu? Me responde aqui ou deixe um emoji pra eu saber que você quer a continuação da história!

danielle.carneiro@gmail.com